pten
  • 10
  • 15
  • 1
  • 12
  • 13
  • 8
  • 3
  • 9
  • 13
  • 7
  • 14
  • 4
  • 6
  • 11
  • 2
  • 14
  • 11
  • 5
  • 12

emRede - folha informativa

Opinião num minuto

 

BolsaNacionalTerras

Guia de apoio à criação de microempresas

 

guiaapoioExpAg

      

 SAAF

 

  Parceria Portuguesa para o Solo 

 

produtos tradicionais

 

 

Pordata

 

 

 Em destaque

Semana da Visão Rural antevê futuro das áreas rurais da Europa

03-03-2021

A Rede Europeia de Desenvolvimento Rural (ENRD) em estreita cooperação com a Comissão Europeia realiza ao longo de uma semana, entre os dias 22 e 26 de março, a Semana da Visão Rural, para promover o debate entre especialistas e os vários agentes rurais europeus sobre a futura estratégia da Visão de Longo Prazo para as Áreas Rurais.

Ler mais

Consulta da Comissão sobre a nova Estratégia de Solos da UE

08-02-2021

A Comissão Europeia lançou uma consulta pública online sobre o desenvolvimento de uma nova Estratégia para os Solos da UE, convidando os cidadãos e as organizações a contribuírem 27 de abril de 2021 para a sua preparação e a partilharem os seus pontos de vista sobre potenciais objetivos e ações.

Ler mais

Obrigado e Boas Entradas em 2021

31-12-2020

A Rede Rural Nacional vem agradecer as muitas mensagens recebidas nesta quadra festiva e retribuir a todos os seus parceiros e amigos os votos de um excelente Ano de 2021, repleto de oportunidades e conquistas!

Ler mais

Plano Estratégico da PAC 2023-2027: Consulta alargada alargada até 8 de janeiro de 2021

18-12-2020

Encontra-se aberta a primeira fase do processo de consulta alargada do Plano Estratégico de Portugal no âmbito da Política Agrícola Comum, para o período 2023-2027. Convida-se à participação e envio de contributos até 8 de janeiro de 2021.

Ler mais

Webinar junta parceiros para discutir Dieta Mediterrânica

11-11-2020

O Centro de Competências da Dieta Mediterrânica (CCDM) e a Câmara Municipal de Tavira (CMT), em colaboração com a Universidade do Algarve (UAlg) e as Direções Regionais de Agricultura e Pescas do Norte, Centro, Lisboa e Vale do Tejo, e Alentejo, organizaram, no dia 30 de outubro, uma sessão de divulgação online sobre o potencial da Dieta Mediterrânica (DM) na promoção da coesão e desenvolvimento sustentável dos territórios.

Ler mais

Conferência "Do Prado ao Prato" debate sistemas alimentares sustentáveis

21-10-2020

A Conferência Do Prado ao Prato - Construir em conjunto sistemas alimentares sustentáveis (Farm to Fork Conference - Building sustainable food systems together) realizou-se nos últimos dias 15 e 16 de outubro de 2020 e tratou-se de um encontro anual de entidades europeias interessadas em ajudar a construir o caminho da UE para sistemas alimentares mais sustentáveis.

Ler mais

Aprovado Acordo sobre Orientação Geral do Conselho para a Reforma da PAC

21-10-2020

A Ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes, participou nos dias 19 e 20 de outubro, no Luxemburgo, no Conselho de Ministros de Agricultura da União Europeia. Após uma longa ronda negocial entre os 27 Estados Membros, foi alcançado um acordo relativo à aplicação da Política Agrícola Comum (PAC) para o próximo ciclo de programação.

Ler mais

Aprovada a Agenda de Inovação para a Agricultura 2020-2030

13-10-2020

Foi publicada a Resolução do Conselho de Ministros n.º 86/2020, de 13 de outubro de 2020, que aprova a Agenda de Inovação para a Agricultura 2020-2030, a qual tem como propósito fazer crescer a Agricultura, de forma sustentável e baseada na inovação.

Ler mais

Programa Alimentar Mundial, das Nações Unidas, vence o Nobel da Paz de 2020

09-10-2020

O prémio Nobel da Paz de 2020 foi atribuído hoje ao Programa Alimentar Mundial, das Nações Unidas, “pelos seus esforços no combate à fome, pelo seu contributo para melhorar as condições pela paz em zonas atingidas por conflitos e por agir como uma força motriz nos esforços para prevenir o uso da fome como uma arma de guerra e de conflito”. O Programa Alimentar Mundial, com sede em Roma,  foi criado em 1961 e é a maior organização no planeta a promover a segurança alimentar. Todos os anos presta assistência a cerca de 90 milhões de pessoas em mais de 80 países. Para ...

Ler mais

Terra Futura - Agenda de Inovação para a Agricultura 20 | 30

11-09-2020

A Ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes, apresentou hoje, na Agroglobal, a Terra Futura - Agenda de Inovação para a Agricultura 20 | 30, a qual pretende nortear a estratégia e as políticas do setor. Para saber mais.  

Ler mais

O debate sobre o futuro da PAC após 2020 já começou

WorkshopNo passado dia 8 de novembro, realizou-se um Seminário sobre o tema "Reflexões sobre os Desafios agrícolas pós-2020 na UE: preparação da próxima reforma da PAC”, organizada pelo Parlamento Europeu, Comissão da Agricultura e do Desenvolvimento Rural (COMAGRI) e o Departamento de Políticas (AGRI Research).

Dos documentos apresentados a Rede Rural Nacional apresenta resumos traduzidos:

1. Resumo das recomendações - O futuro dos pagamentos diretos (por Alan Matthews)

Os pagamentos diretos constituem o elemento mais importante da Política Agrícola Comum (PAC) e a mais importante fonte de apoio ao rendimento dos agricultores da UE. Este estudo recomenda aos membros do Comité AGRI uma possível estrutura de Pagamentos na próxima reforma da PAC. Três modelos são desenvolvidos para as possíveis escolhas. 

O documento recomenda uma PAC integrada, com um só pilar, baseado em pagamentos contratualizados e direcionados em vez do sistema de pagamentos diretos dissociados. A estrutura recomendada para o futuro dos pagamentos diretos, baseia-se no seguinte conjunto de princípios:• Os pagamentos devem ser dirigidos a objetivos específicos com uma clara orientação para os resultados;

  • Os pagamentos devem ser reestruturados num pilar único da PAC, programado, plurianual;
  • Cofinanciamento nacional para todas as despesas da PAC;
  • Os pagamentos diretos dissociados deverão ser gradualmente eliminados num pré-anunciado período de transição;
  • A poupança deve ser reorientada para mais gastos em gestão de risco, melhorando a competitividade, ação climática e bens públicos ambientais;
  • Os direitos ao pagamento devem ser substituídos por um quadro contratual entre agricultores e autoridades públicas;
  • A condicionalidade e o pagamento ecológico devem ser substituídos por "greening condicional", ficando o apoio público condicionado à inscrição num regime ambiental de base concebido pelo Estado-Membro;
  • A afetação dos recursos orçamentais deve basear-se em incentivos para que os orçamentos sejam atribuídos aos Estados-Membros com base no desempenho e nas necessidades.

2. Resumo das recomendações - O futuro das medidas de mercado e dos sistemas de gestão do risco (por Louis-Pascal Mahé e Jean-Christophe Bureau)

A instabilidade dos mercados e as crises recentes abalaram fortemente o setor, o que leva a pensar como a PAC para o futuro poderá fazer face às perturbações do mercado. Tirando as lições da crise dos produtos lácteos em particular, este estudo faz recomendações aos Membros do Comité AGRI sobre o possível futuro para medidas de mercado e sistemas de gestão de risco na próxima reforma da PAC. Desenvolve as seguintes 27 propostas para melhorar as atuais ferramentas da PAC:

  • Proposta 1: O 1.º pilar que reúne fundos para os bens comuns globais (Global Environment E Climate ou Pillar GEC) e é 100% financiado pelo orçamento da UE. Abrangeria Bens Públicos europeus e globais, como a prevenção do aquecimento global e a Biodiversidade. Os pagamentos por serviços ecológicos teriam o seu lugar neste pilaro seu lugar no 1.º Pilar. Realmente redistributivo e dirigidos a favor de zonas desfavorecidas podiam ser elegíveis os pagamentos. Pagamentos por estrições poderiam ser mantidos no 1.º Pilar em nome da coesão. Outros pagamentos herdados Da política de apoio aos preços devem passar para outros pilares. Pagamentos para áreas de preservação de Alto Valor Natural valorizado por todos os europeus poderia estar no 1º Pilar.
  • Proposta 2: O segundo pilar reúne fundos para bens comuns "quase locais". Como a maioria do Atual 2.º Pilar, seria dedicado a bens públicos locais, com medidas agro-ambientais, cofinanciadas pela UE e Estados-Membros.
  • Proposta 3: O 3.º pilar orientado para medidas de mercado, sistemas de gestão de riscos de preços, crises e pagamentos base. Os seus objetivos seriam a atenuação e prevenção de crises, a competitividade do Mercado único, bem como estimular a resiliência do sector agrícola que enfrenta graves perturbações do mercado. Envolve tanto medidas de mitigação como preventivas, destinadas a evitar ou atenuar os principais distúrbios. Os pagamentos base são transferidos para este 3º pilar, sendo financiados 100% pelo orçamento da EU, com uma programação inter-anual e flexibilidade da dotação orçamental.
  • Proposta 4: Mover pagamentos base para o 3.º Pilar e estabelecer um limite máximo para os pagamentos base por unidade de trabalho familiar ou por membro de cooperativas agrícolas, na proporção do Produto Interno Bruto per capita dos EM.
  • Proposta 5: Transferir os Pagamentos Base remanescentes para constituir uma Reserva para crises.
  • Proposta 6: Para lidar com perturbações excecionais, permitir que a Reserva de Crises tanto possa acumular fundos não utilizados ao longo de vários anos do Quadro Financeiro Plurianual (QFP), ou que tenha um status Semelhante ao Fundo Europeu de Ajustamento à Globalização.
  • Proposta 7: A reserva para crises é utilizada pela primeira vez para cobrir a contribuição para a compensação aos agricultores pagos pelos Fundos dos Instrumentos de Estabilização do Rendimento (IST) / Fundos de Contrapartida.
  • Proposta 8: Em crises excecionalmente profundas, em que as compensações dos Instrumentos de Estabilização do Rendimento (IST) deixam as explorações expostas à falência, os pagamentos de emergência aos produtores podem ser financiados pela Reserva.
  • Proposta 9: Os envelopes de emergência são um montante fixo por exploração ou unidade de parceria trabalho. Somente o trabalho familiar, membros de verdadeiras cooperativas ou trabalhadores que partilham o rendimento agrícola líquido pode ser considerado como parceiros.
  • Proposta 10: Implementar auxílios de emergência no âmbito da prevenção cruzada de condicionalidade e bónus para evitar riscos e comportamento de mitigação.
  • Proposta 11: Criar uma autoridade administrativa independente para medidas de mercado E assistência aos Sistemas de Gestão do Risco (Risk Management Schemes - RMS): a Agência de Moderação do Mercado Europeu (Instabilidade)
  • Proposta 12: Preferir fundos de contrapartida para o IST aos fundos mútuos, que são inadequados para os riscos de preço sistémicos e propensos a parasitismo.
  • Proposta 13: Para a ativação rápida e objetiva das compensações do IST, mais do que os rendimentos ex-post reais, adotam um conceito indexado de rendimento baseado na estrutura de contas declarada no passado e sobre índices de preços observáveis; Preferir uma compensação aproximada a uma perfeita mas atrasada.
  • Proposta 14: Remuneração de base sobre o lucro coberto subscrito vinculado a registros. As taxas de prémios e contribuições dos agricultores para as IST são função crescente do rendimento coberto.
  • Proposta 15: Desenvolver um programa de engenharia institucional para experimentação e aperfeiçoamento de esquemas detalhados de dispositivos de gestão de risco de mercado.
  • Proposta 16: Experimentar várias fórmulas de desenho de IST com o propósito de ir descobrindo informações - dispositivos parcimoniosos e robustos.
  • Proposta 17: Realizar simulações contra factuais completas do que os esquemas poderiam proporcionar durante as últimas crises.
  • Proposta 18: Considerar a revisão da média olímpica como benchmark e identificar melhores regras de suavização para referência.
  • Proposta 19: Tornar contingente a taxa de contribuição do orçamento da UE para os fundos de participação dos produtores e das organizações de produtores em medidas de mercado lançadas pela autoridade independente para a regulação dos mercados.

4.5. Integrar medidas de mercado com os IST e pagamentos base num sistema abrangente de prevenção e mitigação de crises.

  • Proposta 20: Para a intervenção, estabelecer critérios que excedam os requisitos para definir os preços de compra e as regras de actualização com base nos fundamentos de tendências económicas.
  • Proposta 21: As Instituições do Trílogo dão um mandato à Agência independente, durante o período de vigência do QFP com procedimentos de revisão a médio prazo.
  • Proposta 22: Definir "circunstâncias excecionais de mercado", tanto para picos como abaixamento dos preços, com base em indicadores de mercado objetivos e observáveis relacionados em fundamentadas tendências económicas.
  • Proposta 23: tornar o auxílio à armazenagem privada mais flexível no mandato da Agência
  • Proposta 24: (medidas curativas): Durante longas e graves crises de mercado excecionais, permitir à Agência exigir às Organizações de Produtores que assegurem redução de entregas através de processos menos intensivos ou reduções de rendimentos. Permitir que a Agência suspenda parte dos Pagamentos Base aos agricultores não participantes.
  • Proposta 25: (medidas de prevenção): Durante as bolhas de preços, facultar à Agência, possibilidade de congelar parte dos Pagamentos Base e no caso de desequilíbrios futuros previsíveis, exigir a contenção do crescimento da oferta e a introdução da prevenção das crises na condicionalidade dos pagamentos básicos.
  • Proposta 26: Rastrear melhor os efeitos das perturbações do mercado e da volatilidade dos preços, exigem que os grandes operadores da cadeia alimentar apresentem a evolução do seu mix de produtos e das suas margens, a uma autoridade independente.
  • Proposta 27: Realizar regularmente uma análise empírica em grande escala do funcionamento do mercado único, incluindo a avaliação do impacto das políticas não agrícolas sobre os custos de produção nos diferentes Estados-Membros.

3. Resumo das recomendações - O futuro do desenvolvimento rural (por Thomas Dax e Andrew Copus)

Orientações para a reforma pós-2020

De todas as discussões e evidências disponíveis emerge um grande interesse na continuação e futura adaptação dos PDR. Uma reestruturação radical dos Fundos Europeus Estruturais e de Investimento provavelmente não é um objetivo realista. Em vez disso, a discussão pré-reforma deve focar o reequilíbrio na lógica de intervenção dentro da atual estrutura do 2.º Pilar. Existe, por exemplo, preocupação crescente com a falta de "focalização" e eficácia da implementação.

Em particular, as seguintes principais questões são consideradas cruciais para a futura reforma da Política de Desenvolvimento Rural:

  • A diversidade das zonas rurais e as diferentes necessidades e oportunidades devem ser cada vez mais refletidas na programação dos PDR. Uma abordagem "baseada no local" poderia melhorar a relevância dos contextos reais para a seleção das prioridades no PDR.
  • Além disso, é necessário um maior enfoque territorial na distribuição de fundos para desafios específicos da região, p. Através do abandono da terra, das tendências de marginalização e regiões rurais com risco de pobreza particularmente elevado. Tais situações são acima de tudo relevantes nos "novos" Estados-Membros, nas regiões dos países mediterrânicos e nos ANC, Como regiões remotas noutros países da UE.
  • Além dos aspetos territoriais, os PDRs precisam mostrar muito mais claramente do que até agora, que são benéficos para todas as pessoas nas regiões rurais e impactam todas as sociedades. Esta mudança (em curso), com no foco nos beneficiários, deve assegurar os respetivos efeitos para as economias e sociedades locais e proporcionarem um impacto significativo (positivo) no bem-estar das regiões rurais.
  • A fim de reforçar a adoção do programa, em especial nas regiões com deficit de participação, deve ser dada atenção específica à capacitação, ao desenvolvimento do conhecimento e ação participativa no desenvolvimento local. Estas medidas precisam de ter uma maior prioridade em regiões específicas para ultrapassar as tendências para uma espiral decrescente e emigração.
  • Um número de medidas "sociais" foram já incluídas nos PDR; para se tornarem mais efetivas, será necessária uma forte priorização e partilha de fontes de financiamento, bem como uma elaboração das medidas mais avançada, de forma a obter efeitos (mensuráveis e significativos) para os vários tipos de regiões rurais.
  • A abordagem LEADER e DLBC e a medida de cooperação, representam instrumentos de elevado potencial de participação, processos de estratégia de desenvolvimento local e identidade de criação. Os processos contínuos de consulta e aprendizagem da sua aplicação devem alimentar o futuro processo de reforma.
  • Acima de tudo, as zonas rurais não devem mais ser entendidas como apenas locais com problemas de desenvolvimento e subordinadas às áreas urbanas, mas que também têm oportunidades que devem ser continuamente fomentadas, a fim de alcançar os impactos desejados

(Ver também discussões da conferência Cork 2.0). Sistemas de gestão cuidadosamente adaptados e sábios da terra, que permitam o desenvolvimento sustentável e o enfoque na Inovação, são fundamentais para fazer uso desses potenciais (específicos do local).

Plataforma

 Alimente quem o Alimenta 

Alimente quem o alimenta

 

Website 

Inovação na Agricultura

 

Folhas informativas

Folhas
Informativas

 

   

Agenda de eventos

 

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

 

 

Redes Rurais EU 
Rede ENRD
EIP-AGRI
Presidencia UE PT21
Comissão Europeia
WhatHorizon2020

 

 

 
 
Portugal 2020
PDR 2020
Prorural
Proderam2020
Gabinete de Planeamento, Políticas e Administração Geral (GPP)
Instituto de Financiamento da Agricultura e Pescas,I.P - IFAP