pten
  • 14
  • 2
  • 15
  • 8
  • 11
  • 7
  • 12
  • 9
  • 6
  • 20
  • 1
  • 3
  • 13
  • 12
  • 4
  • 13
  • 14
  • 5
  • 11
  • 10

Em Rede  Ligações  Grupos de trabalho     

emRede - folha informativa

A Agricultura de Precisão e a reforma da PAC

cornfieldA reforma da PAC está eminente, e o que vamos percebendo com os documentos da Comissão é que quase certamente a Agricultura de Precisão (AP) será uma das grandes tendências a que os agricultores devem se comprometer para terem acesso aos apoios da PAC.

Vamos ter os apoios diretos do Primeiro Pilar, onde os chamados eco-esquemas serão introduzidos, pagamentos vinculados ao compromisso do agricultor em cumprir os objetivos ambientais e climáticos. As medidas agroambientais do Segundo Pilar também serão certamente apoiadas pelo mesmo compromisso ambiental e climático. Provavelmente também veremos no Segundo Pilar (como já tínhamos neste período atual 2013-2020) apoio ao investimento direcionado a novos equipamentos agrícolas já adaptados à AP.

Em todos os documentos já divulgados pela Comissão Europeia, vimos que a Agricultura de Precisão será essencial para a concretização dos objetivos do Pacto Ecológico Europeu, conhecido como “Acordo Verde Europeu”. Portanto, é fundamental que os agricultores, prestadores de serviços, cadeias de distribuição, investigadores e a administração pública concordem sobre as formas de apoio e os objetivos a serem alcançados para atrair os agricultores para esta forma de agricultura. Deveríamos em primeiro lugar determinar quais as técnicas e os processos onde mais rapidamente e com menor custo para os agricultores, deveriam ser conduzidos os apoios.

Na nossa opinião, deveríamos iniciar o processo de transição com com todos os diferentes processos de recolha de informações nas explorações de cada agricultor. Como temos visto, só conhecendo e medindo, poderemos gerir e tomar as melhores decisões com vista a diminuir custos e impactos assim como aumentar a produtividade.

Dados estruturais, como terreno, análise de solo, eletrocondutividade, bem como dados de produção, histórico de aplicações e intervenções, bem como dados climáticos, seriam um grande trunfo que os agricultores teriam para o futuro. Uma verdadeira base de dados da exploração agrícola.

O agricultor teria então a possibilidade de comparar seus dados com os de seus vizinhos, com determinados modelos de otimização da produção, além de ter um histórico de toda a atividade da fazenda. Consultores agrícolas, bem como pesquisadores, também podem ajudar na tomada de decisões mais eficazes com o tratamento de informações tão importantes.

Seria uma grande objectivo que no final deste ciclo de programação 2021-2027 a maioria dos agricultores pudessem recolher e registar de forma sistematizada vários dados da sua exploração. Teríamos assim alcançado um grande objetivo coletivo e individual: produzir mais com menos para reduzir os impactos da nossa atividade.

Artigo publicado originalmente na página do Projeto SPARKLE (em inglês) e traduzido pelo blogue Milho Amarelo.