pten
  • 20
  • 11
  • 12
  • 8
  • 9
  • 2
  • 3
  • 11
  • 7
  • 13
  • 13
  • 1
  • 14
  • 6
  • 14
  • 10
  • 15
  • 5
  • 4
  • 12

Em Rede  Ligações  Grupos de trabalho     

emRede - folha informativa

AgroIN: a cultura da Eficiência em debate

agroin eficiencioculturaA IFE Portugal e a Vida Rural organizam na próxima quinta-feira, dia 1 de outubro, pelas 9h30, no Auditório da Faculdade de Medicina Dentária da Universidade de Lisboa, a 7ª edição do AgroIN, com o tema da cultura da Eficiência - "eficienciocultura" -, evento que vai reunir empresários, gestores e técnicos que vão partilhar as suas experiências e soluções nas áreas da eficiência, gestão, rentabilidade, sustentabilidade, etc.

PROGRAMA

09H20 Boas-vindas

09h30 PEGADA DE CARBONO: UMA MÉTRICA DE COMPETITIVIDADE?
Num momento em que as alterações climáticas ocupam um lugar de destaque, até há pouco insuspeitado, na agenda política e social, a pegada de carbono entrou definitivamente na linguagem dos negócios. A agricultura, florestas e outros usos do solo são responsáveis por 25% das emissões globais de gases com efeito de estufa, tornando o setor numa peça-chave para a descarbonização da economia. Mas, de que falamos quando falamos de pegada de carbono? 
◉ Que atividades e fontes de emissão estão incluídas e que metodologias existem para a sua quantificação?
◉ Como é reconhecida e contabilizada a remoção de carbono em biomassa e solos? 
◉ A pegada de carbono é um meio para uma operação mais eficiente ou é um fim em si?
◉ Os mercados exigem ou mesmo valorizam a comunicação da intensidade carbónica dos produtos agrícolas?
Maria João Gaspar, consultora em sustentabilidade

9h55 CALCULAR A PEGADA DE CARBONO NA PRÁTICA: exemplos nos bovinos de leite e de carne
Os cálculos de pegada de carbono podem ser realizados a múltiplas escalas. À escala local, importam sobretudo para permitir a produtores e consumidores obter informação sobre os impactes de produtos de carne e leite. No caso de produtores, são importantes também numa perspetiva de melhoria contínua. À escala regional, continental e mesmo global, são frequentemente realizados para tentar entender qual o papel de produtos animais em dietas. Quais as evidências que nos são fornecidas por análises a diferentes escalas?
◉ Qual o papel dos produtos animais nos impactes ambientais das dietas humanas a uma escala global?
◉ Qual a melhor forma de melhorar o desempenho ambiental de dietas – mudanças de sistema de produção, eliminação de produtos animais ou outras?
◉ Quais os exemplos à escala local de cálculos de pegada ambiental (com ênfase em Portugal), e como foram utilizados pelos produtores?
◉ Como podem os cálculos de pegada mostrar formas de melhoria de produção de carne e leite?
Ricardo Teixeira, 
Instituto Superior Técnico

10h20 SUSTENTABILIDADE E MERCADO
Indústria e distribuição. Estão estes elos da fileira alinhados com os produtores na valorização de práticas mais sustentáveis?
◉ A produção está a ser remunerada pelo investimento em alimentos mais ecológicos?
◉ Estas práticas estão a ser comunicadas e utilizadas como ferramenta de marketing?
◉ O consumidor perceciona este valor e está disposto a pagar mais?
Pedro Pimentel, Centromarca
Pedro Queiroz, FIPA

11h00  Pausa para café ☕️

11h30 CLIMATE SMART AGRICULTURE: MUITO OU NADA DE NOVO?
Intensificação sustentável. Agricultura de conservação. Agroecologia. Climate smart agriculture, dizem. Perdidos nas definições? Aumentar a produtividade e o rendimento, tornar os agricultores mais resilientes às alterações climáticas e reduzir as emissões associadas à produção de alimentos é o desafio. Chegar lá é um caminho desafiante que implica essencialmente gerir com um novo foco. Agrofloresta, gestão da água, solo e energia, gestão fitossanitária, gestão de culturas, tecnologia.
◉ Onde estão os melhores exemplos de utilização da tecnologia neste contexto?
◉ Quais são os desafios na luta contra pragas e doenças?
◉ Quem está a usar a diversificação cultural e novas culturas com sucesso?
◉ Quem está a investir em sistemas agroflorestais?
◉ É possível melhorar a eficiência na utilização de fatores de produção?
◉ Ainda estamos longe da eficiência energética?
Maria do Carmo Martins, COTHN
Lino Oliveira, INESC TEC

12h30 Prémios VIDA RURAL 

13h00  Almoço networking 🍴

14h30 A ÁGUA VAI CONTINUAR A REVOLUCIONAR AS OPÇÕES CULTURAIS?
São empresários e gestores e as suas explorações agrícolas mudaram radicalmente na última década. Com a chegada da água de Alqueva um novo leque de possibilidades se abriu e com ele a viabilização de uma enorme área condenada a baixas produtividades e rentabilidades. Mas está tudo feito em Alqueva?
◉ Onde está o potencial para continuar a crescer?
◉ Que novas culturas podem surgir?
◉ Quais os desafios ambientais?
◉ Como ultrapassar o desafio da mão-de-obra?

16h00 O RESGATE DO SOLO É O DESAFIO DA PRÓXIMA DÉCADA?
O que se passa no subsolo passou a ser tão ou mais importante do que aquilo que acontece à superfície. Um sistema complexo e dinâmico que importa conhecer em profundidade e que é decisivo para o sucesso das culturas. Dizem os especialistas quem em cada grama de terra existem mais de 10.000 espécies microorganismos. O que sabemos sobre isto?
◉ É preciso rever os métodos de conservação do solo?
◉ Fungos, bactérias e vírus: como podem ajudar as plantas?
◉ Qual o papel das micorrizas?
◉ Como podem influenciar os modelos de produção atuais?
◉ As soluções nesta área estão desenvolvidas?
◉ Há resultados da aplicação destas técnicas?
Moderação: João Coimbra
Isabel Brito, Universidade de Évora
Francisca Ramos, Sociedade Agrícola S. João de Brito

17h30 Encerramento

Saiba aqui toda a informação e efetue a sua inscrição.